segunda-feira, 25 de março de 2013

Poema


Sem título

(Para aquele, cujo o nome não pode ser revelado)

A antemanhã anda um tanto medíocre
Assim como a vida,
As pessoas
E a vida das pessoas

Então apareces tu todo imaculado
E acende em mim a faúlha da anti-mediocridade

E prometes a mim que
A vida pode ser díspar
Mentiras tuas
Depois de três dias tu esvaeces
E tudo volta a sua usualidade
A sua habitualidade,
A sua mediocridade.

Coroatá – MA, 20 de março de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário